jul 06

Informativo da Pastoral Familiar – Julho 2017

PASTORAL FAMILIAR – DORES DE CAMPOS- MG

Diocese de São João Del Rei – MG

Forania de Nossa Senhora da Conceição

 

Diretor Espiritual: Padre Paulo Marcelo Daher Gomes Filho

Casal Coordenador Geral: Wellington e Vilmara

Casal Vice coordenador: Alexandre e Emilia

A Pastoral Familiar se divide em três setores:

– Setor Pré-Matrimonial – Jaques e Daniely

– Setor Pós Matrimonial – Dimas e Regina

– Setor Casos especiais – Mara e Chioca.

Falecimento

É com grande pesar que a Pastoral Familiar envia seus sentimentos a todas as famílias que perderam seus entes queridos no mês de junho. Que Deus os console.

Trabalho da Pastoral no Mês

Agenda:

  • Dia 05 – Adoração Mensal (Setor Pré Matrimonial)
  • Dia 12 – Estudo Bíblico
  • Dia 27 – Missa da Família (Setor Pré Matrimonial – Celebração dia das Avós)
  • Dia 28 – Reunião mensal (Esclarecimentos, Semana Nacional da Família 13/08 a 20/08, Preparação para a missa quinzeanista 28/09)

O QUE ACONTECEU EM JUNHO?

No dia 11 de junho foi realizado o retiro espiritual. Momentos em que partilhamos e refletimos sobre leituras da Bíblia.

CORPUS CRISTI

Com muita Alegria e dedicação, a Pastoral Familiar, assim como toda a cidade, prestou sua homenagem ao nosso Salvador Jesus Cristo. As ruas por onde Ele, Jesus Eucarístico, passou, estavam todas enfeitadas. Com a ajuda de toda a comunidade, foram recolhidos alimentos que foram entregue às entidades a qual foram direcionadas.

Aniversariantes do Mês de Julho:

Individuais:

  • 02 – Aleandra
  • 17 – Itamar
  • 24 – Luciana
  • 30 – José Luiz

Casamento:

  • 09 – Aparecida e Denilton
  • 16 – Geralda e Inácio
  • 19 – Luzia e Maurinho
  • 21 – Maria Jadir e José Maria
  • 27 – Daniely e Jaques

Conheça a vida dos Santos

SÃO CAMILO DE LÉLLIS – 14 de Julho

Camilo nasceu de pais já idosos, no dia 25 de maio de 1550, no sul da Itália. Camilo não gostava de estudar e era rebelde. O pai de Camilo, apesar de seus problemas com jogo de cartas, preocupou-se em educar o filho e o colocou na escola militar. O jovem, devido a sua grande estatura e físico atlético era requisitado para os trabalhos braçais e nunca passou de soldado, por falta de instrução.

Aos dezenove anos pensou em entrar para a vida religiosa, mas um tumor no pé impediu sua admissão. Ele então foi enviado para o hospital de São Tiago, em Roma. Sem dinheiro para o tratamento, conseguiu ser internado em troca do trabalho como servente. Com vinte e cinco anos de idade pediu novamente para ingressar na ordem dos franciscanos, mas novamente não foi aceito.

Camilo, já tocado pela Graça, passa a cuidar de doentes como voluntário. Preferia assistir aos doentes mais repugnantes e terminais, abandonados à própria sorte. Neles, Camilo viu o próprio Cristo e por eles passou a viver.

Em 1584 constituiu uma irmandade de voluntários para cuidar dos doentes pobres e miseráveis, depois intitulada Congregação dos Ministros dos Enfermos. Com a ajuda de Filipe Néri estudou e vestiu o hábito negro com a cruz vermelha de sua própria Ordem.

Mesmo sofrendo terríveis dores nos pés, Camilo ia visitar a casa dos doentes e, quando necessário, chegava a carregá-los nas costas para o hospital. Nesta hora agradecia a Deus a estatura física que lhe dera. Recebeu o dom da cura pelas palavras e orações, e os fiéis ricos e pobres, procuravam sua ajuda.

Era um homem muito querido em toda a Itália, quando morreu em 14 de julho de 1614. Foi canonizado em 1746. Em 1886 foi declarado padroeiro dos enfermos, dos doentes e dos hospitais.

Colaboração: Padre Evaldo César de Souza, CSsR

Reflexão:

A bula da canonização enaltece a virtude da caridade em são Camilo. A caridade chegou-lhe ao extremo por ocasião da peste em Roma. Embora doente e sofrendo dores horríveis no pé, ia de casa em casa, procurando, socorrendo e consolando os pobres doentes. Numerosos são os casos, em que foi visto levando às costas os doentes ao hospital, onde os tratava com o maior carinho.

Oração:

Ó São Camilo, que imitando Jesus Cristo, destes a vida pelos vossos semelhantes, dedicando-vos aos enfermos, socorrei-me na minha doença, aliviai minhas dores, fortalecei meu ânimo, ajudai-me a aceitar os sofrimentos, para purificar-me dos meus pecados. Amém!

 

jun 19

Caminhada ao Livramento

A caminhada ao Livramento tem sido um evento com grande presença de fieis e devotos de Dores de Campos, Prados e outras cidades da região. Os paroquianos dorenses, totalmente contritos, saíram 08h00min horas da manhã em caminhada com o pároco Padre Paulo levando em suas mãos Terços e imagens de Maria, com codinomes diversos. Muitas pessoas subiram rezando e muitas em conversas amenas fazendo da caminhada um ambiente leve e fraterno. A subida foi tal qual aos relatos bíblicos, que mostra o povo hebreu em contato com a natureza, nos momentos de súplica e agradecimento a Deus. Vale ressaltar que tal caminhada antecede a grande festa de Nossa Senhora do Livramento.

Sendo os primeiros a chegar às cercanias da Capela os paroquianos dorenses esperaram pelos vizinhos pradenses e com a chegada dos mesmos a Missa Festiva foi concelebrada pelos: Pe. Paulo Marcelo, da Paróquia de Nossa Senhora das Dores e Padre Dirceu Medeiros, da Paróquia de Nossa Senhora da Conceição. A multidão participou da missa com muita fé e devoção. Na homilia Padre Dirceu remeteu-se ao Papa Francisco e citou três pontos importantes para o momento de reflexão: O significado da Caminhada para o povo de Deus, que representa o contato com a natureza, Criação Divina, tão maravilhosa e devastada pela humanidade em prol do lucro.  Outro ponto abordado foi à questão da crise das lideranças no mundo, quando o mundo vive um tempo de carência de líderes e somente o Papa Francisco encarna as características de um grande líder, pois em suas viagens e contatos tem aproximado as religiões, de credos diferentes, e com isso estabelecendo a cultura de paz e de tolerância. Terminou a homilia citando os doze apóstolos, mostrando que tal escolha não foi um equívoco, mas uma didática para mostrar que o reino de Deus é e será formado por criaturas sujeitas aos tropeços nas armadilhas impostas pelo mundo, porém com a convicção do progresso espiritual. Exemplificou a fragilidade de Pedro em face de sua negação, por três vezes, a Ele. E disse, exemplificando, que quando o padre convida paroquianos para compor o Ministério da Eucaristia, escolhe pessoas comuns e, haja vista, que alguns convidados não se sentem dignos da missão. A isso finalizou afirmando: “Deus não escolhe os capacitados, mas capacita os escolhidos”.

Ao término da missa Padre Paulo e Padre Dirceu coroaram Nossa Senhora do Livramento em comemoração ao ano Mariano Cristão, uma vez que em outubro desse ano (2017) a igreja comemora 300 anos da aparição de Nossa Senhora Aparecida e 100 anos da de Nossa Senhora em Fátima. Padre Paulo afirmou que todos os títulos concedidos a Maria são apenas menções à mesma mãe de Deus e nossa Mãe Maior. Foi um momento que ressaltou, mais uma vez, a Fé de todos os presentes.

Dores de Campos, 18 de junho de 2017

Por Sirlene Cristina Aliane – PASCOM

Fotos: Ayla Darlene de Souza – PASCOM

jun 19

Missa Festiva do Apostolado da Oração e do Desagravo do Coração de Jesus

Com o Canto “…Coração Santo Tu reinarás! Tu nosso encanto, sempre serás! Jesus amado, Jesus piedoso, Pai amoroso, frágua de amor… Foi adentrado pela nave a bandeira do Apostolado da Oração, soerguida pelas aspirantes a zeladoras: Sra. Dinéia, Srta. Erika e ladeadas pelos soldados mirins que fariam, mais tarde, o Desagravo do Sagrado Coração de Jesus. Após as leituras, pertinentes à celebração, Pe. Paulo Marcelo mostrou à importância desse movimento iniciado  em Vals na França, num colégio jesuíta em 03 de dezembro de 1844, tendo na frente o Pe. Gautrelet ,  aprovado pelo Bispo Le Puy e sancionado no ano de 1849 pelo Papa Pio Xl, valendo ressaltar, que tal movimento iniciou em  Dores de Campos no ano de  1902. Em tempo deu um belo testemunho ao denunciar, que a falta de oração pode levar uma pessoa a perder, a própria  essência de sua vida, através das seduções equivocadas, de um mundo enganador. Mostrando, que quase sempre, vitimados por uma felicidade passageira e sintética, muitos se derrocam ante um abismo, na maioria das vezes, sem retorno. Antes da benção final, com o auxílio da Sra. Ambrozina  foram apresentadas à assembléia, 02 zeladoras e inúmeras zeladas. Terminada a celebração houve o Desagravo do Sagrado Coração de Jesus, entre cantos desafinados, porém graciosos, efetivado por inúmeros meninos, acompanhados pelas Sras. Nilma Helena e Luiza de Marilac, valendo render a essas, os mais sinceros agradecimento, pela manutenção dessas manifestações de carinho e religiosidade à nossa Igreja Católica.

Por João Bosco de Melo – PASCOM

Dores de Campos, 16 de junho de 2017

jun 17

Solenidade de Corpus Christi

O Corpus Christi, corpo e sangue de Jesus Cristo, foi comemorado pelos católicos nesta quinta-feira, 15 de junho. Em nossa paróquia, houve missas e a tradicional procissão com bênçãos do Santíssimo em vários pontos. Durante o trajeto acompanhando o próprio Jesus, acredito que cada fiel sentiu por um instante a sensação de estar no céu, ao ver um dia tão belo em que a paz pairava no ar, vislumbrando a delicadeza e o amor com que os fiéis ornamentaram as ruas por onde o Rei dos reis iria passar. Ao chegar na matriz, foi recebido com uma calorosa salva de palmas e uma belíssima missa aonde mais uma vez Ele fez-se alimento para nossa alma. E ao findar ainda recebemos uma bênção através das mãos ungidas do nosso pároco, Pe.Paulo Marcelo.

Por Ayla Darlene de Souza – PASCOM

Fotos: PASCOM

jun 16

Comemorando mais um exemplo de santidade: “Santo Antônio”

Nessa terça-feira, 13 de junho de 2017, através do santo sacrifício da missa às 19:00 foi homenageado Santo Antônio, exemplo de desprendimento e serviço total ao reino de Deus. Quando na homilia, Pe.Paulo falava da importância da vida dos santos como um roteiro a ser seguido por cada cristão, assim como tantos outros santos, tiveram uma vida comum e simples, mas plena da entrega aos planos que Deus tinha para eles. Ainda lembrava da riqueza de nossa igreja com tantos exemplos de santidade. Relatou-nos a caminhada de Santo Antônio desde seu nascimento…Terminando esse belo momento com uma bonita tradição das bênçãos dos pães que geram fartura em nossos lares e a coroação de Santo Antônio pelos meninos paroquianos.

Santo Antônio,rogai por nós!

Por Ayla Souza – PASCOM

maio 31

Dia Mundial das Comunicações Sociais

Hoje, mais precisamente dia 27/05/2017, através do sacrifício da Santa Missa às 19:00 h, comemorou-se o Dia Mundial das Comunicações Sociais, quando na homilia Pe. Paulo Marcelo exaltou, de forma profícua a comunicação como instrumento eficaz no processo de Evangelização. Porém ao enaltecer o Dias das Comunicações temos que render graças àquela Mulher cujo proceder tornou possível o processo da salvação e mais do que isso a fez a grande educadora e a comunicadora do Salvador: Jesus Cristo, que no alto do madeiro a tornou Mãe de todos nós e a seta que nos trará de volta a Ele, sempre. Pois no seu silêncio tão bem decantado por Larrañaga, foi-lhe propiciado uma intimidade de escuta e entendimento com Deus e Ela fez-lhe a vontade:__perdeu a sua vida, para se salvar, exemplificando com isso, que devemos, tal qual o asseverado por Lao Tsé, sacrificar o “ego” (eu egoísta) a favor do “Eu” (eu universal).  Então, queridos paroquianos, temos que entender que todos nós, Católicos, a princípio, somos Marianos, pois foi Maria, que nos levou a Jesus e apresentou Ele a nós, através das orações e dos Santos Rosários e fez-nos Cristãos. Não foi à toa que no canto Magnificat Ela se tornou:__Ave Maria, a cheia de Graça!

Consoante ao descrito, vamos rezar uma “Ave Maria”, pra essa grande Mulher, que tornou-se norte de todos nós e o símbolo das Comunicações Sociais!

Por João Bosco de Melo – PASCOM

27 de maio de 2017

maio 19

Nossa Senhora de Fátima

Aos treze de maio do ano de 1917 na cova da Iria eis que no céu aparece a Virgem Maria, resplandecente como a luz do sol, por sobre uma pequena azinheira a tornar portadores, de mensagens redentoras, três pastorinhos: Lúcia, Jacinta e Francisco. Era um tempo em que o mundo se debatia nos flagelos provocados pela 1ª Grande Guerra e a derrocada da autocracia na União Soviética por Vladimir Lênin disseminava no mundo ideias revolucionárias em prol de um comunismo pagão. Eis que na providência de denunciar ao mundo os erros cometidos e apontar um caminho, através de uma nova consciência Maria Santíssima aparece nos arredores da freguesia de Fátima, em um terreno, pertencente aos pais de Lúcia, denominado Cova da Iria, com a singela mensagem, porém eficaz, que o mundo deveria se consagrar ao Seu Imaculado Coração, através da reza do Santo Rosário.  Em fase de tal sobrenaturalidade presenciada, os três pastorinhos não se contiveram e espalharam o acontecimento na pequena aldeia de pastores, avançando para todo o mundo Cristão. Precavida, a Igreja, num primeiro momento, se mostrou incrédula ante tal notícia, porém aos poucos começa a dar crédito aos fatos presenciados e contados pelos três pastorinhos, devido à profundidade e seriedade das mensagens enviadas por aquela Bela Mulher, que em momento algum foi denominada como sendo a Virgem Maria. Sabedor das mensagens enviadas, através daquela Bela e Reluzente Mulher o mundo foi se compadecendo da veracidade dos fatos contados por aquelas três crianças e começa a acreditar. Porém o mundo não se regenerou ante os pedidos e uma 2ª Grande Guerra é deflagrada, o comunismo avançou, o abuso de poder e a incapacidade de liderar continuam a massacrar cada vez os liderados tornando vasta a pobreza, a fome e a miséria, ante uma minoria de privilegiados. Porém a pequena chama que ardia nos coraçõezinhos daqueles três pastorinhos há 100 anos disseminada por aquela Bela Mulher, naquela distante e esquecida Cova da Iria, continua a arder nos muitos corações dorenses, que através da prática devocional faz-nos  recitar o Santo Rosário, a coroar a Sua grandeza, a Lhe acompanhar em procissão pelas ruelas do Bairro do Catete e a fazer do mês de maio, o mês da Virgem Senhora de Fátima e de todos codinomes dados, quando de suas muitas manifestações. É necessário ressaltar que Maria foi e será a mulher emblemática e incompreendida, que será contestada por uma minoria obtusa, porém venerada e aclamada por muitos, como a Mulher vestida de sol, que sempre pisará na cabeça de todos os dragões que insistem em nos confundir e distrair; e que sempre nos dará o milagre, concedido por seu Filho Jesus, de um sol abrasador a secar a lama de todos os nossos pecados, tal qual o acontecido há 100 anos, na Cova da Iria.

Por João Bosco de Melo

Dores de Campos, 14 de maio de 2017

abr 20

Semana Santa 2017

Há que se entender que antes da Semana Santa ou Semana Maior se iniciar com Domingo de Ramos, a comunidade veio ao longo dos quarenta dias refletindo, através de interiorização causada pelas orações, próprias ao tema, na denúncia dos acontecimentos fatídicos, porém originários de nossa fé em Cristo. Então uma vez maturada as intenções Pe. Paulo Marcelo, irmanado a uma turba, defronte a Capela Nossa Senhora do Rosário começou o Sacrifício da Santa Missa, intermitindo essa com a peregrinação em procissão até a Matriz Nossa Senhora das Dores, quando se deu a sequência com o Evangelho da Paixão de Cristo. Triunfalmente a celebração da Santa Missa foi encerrada com a cantata de Bach “Jesus Alegria dos Homens” conduzida pelo maestro Silas Freitas. Vale ressaltar que esse domingo é de suma importância no contexto de nossa fé, pois nele Jesus polemizou toda a multidão ao adentrar em Jerusalém por sobre um jumento, animal esse comum à época, num gesto a demonstrar toda a sua grandiosidade e generosidade, ao se fazer pequeno, na intenção de que Deus é para todos, indistintamente. À noite a imagem de Jesus é transladada da Matriz em direção à capela Nossa Senhora do Rosário, para prosseguir na segunda-feira em procissão ao encontro de Maria, na avenida principal da cidade, quando em uma primeira homilia Pe. Rodrigo, de maneira simples e direta emocionou a todos asseverando que toda a vilania denunciada nesse encontro serve para dar a todos, através de uma reflexão profunda, a intenção de que tudo foi permitido, para dar a todos uma segunda chance, na caminhada em sentido contrário ao pecado.

Na terça a bela imagem de Nossa Senhora é transladada para a Capela de N. S. do Rosário, para que na noite de quarta-feira saísse à procura de Jesus pelas ruas de uma Nazareno Dorense, parando de quando em quando nos passinhos ao som dos motetos. Na quinta-feira, já pela manhã, Pe. Paulo Marcelo e três, dos cinco, missionários dorenses: Jônatas, Jefferson e David rumaram para a Igreja Nossa Senhora do Pilar, em São João del Rei na intenção de participar da Santa Missa do Crisma (presidida pelo Bispo Emérito: Dom Waldemar Chaves de Araújo), representar a paróquia Nossa Senhora das Dores e buscar os Santos Óleos (Catecúmenos, Unção dos  Enfermos e do Crisma). À noite houve o cerimonial do Lava Pés, ou a Instituição da Eucarístia, rememorando a derradeira Ceía, quando na ocasião Pe. Paulo Marcelo escolheu 12 jovens acólitos, representando os discípulos, e em tom jocoso foi caracterizando-os e apresentando-os à comunidade. Terminada a celebração houve a vigília ou a Adoração do Santíssimo Sacramento em duas escalas: de 22:00 h às 23:00 h e de 23:00 h às 24:00 h, quando o altar é desnudado ao som da matraca.

Na sexta-feira a cidade amanheceu um pouco silenciosa, em respeito à morte de Jesus, sendo que às 15:00 houve a Ação Litúrgica, quando, mediante a morte de Jesus Pe. Paulo Marcelo se prostrou no chão numa mortificação silenciosa, seguida das leituras, comunhão e do Beijo da Cruz. Á noite em meio ao sermão, proferido pelo  Pe. Vinícius Ildefonso Campos, enquanto o mesmo traça uma genealogia do pecado, de maneira profunda, Jesus foi sendo retirado da cruz. Quando por fim Jesus é colocado no esquife um lamento de Verônica se fez ouvido por todos:__  “Oh vós todos, que passais pela via, vinde e vede: se há dor semelhante a minha. Atentai povos do mundo, e vede a minha dor”. Em seguida o esquive carregando o Corpo de Jesus, seguido por Maria é conduzido em procissão solene pelas ruas da cidade. No sábado, mais precisamente às 21:00 h, o interior da matriz Nossa Senhora das Dores se imerge na escuridão , então o fiat lux do Círio Pascal  vai iluminando, através das velas sustentadas pelos fiéis, todo o interior da matriz, nesse momento as leituras começam a delinear a história da salvação. Findadas as leituras o som estrondoso e alegre do Glória se faz ouvido e as luzes, todas, são acesas e o sino, por fim, começa a repicar incessantemente. Uma vez Jesus Cristo ressuscitou, o Mesmo percorre em procissão pelas proximidades da matriz.

Findando todo o fundamento da nossa história de salvação, no domingo, mais precisamente às 17:30 h, Maria sai gloriosamente de branco  pelas ruas a demonstrar que a Cruz onde seu filho foi pregado não foi e não deve ser entendido como um escândalo, um fracasso e sim um sinal, para a redenção de todos nós. Uma vez terminada a procissão houve a exposição do Santíssimo, quando Pe. Paulo Marcelo permitiu que todos O tocassem com suas mãos impuras, porém com intenções nobres. Ao final houve benção, quando todos puderam acreditar que galgaram mais um degrau à proximidade de Jesus.

Amém!

Texto: João Bosco de Melo – PASCOM

Fotos: PASCOM

Dores de Campos, abril de 2017

Domingo de Ramos

Segunda-Feira Santa

Terça-Feira Santa

Quarta-Feira Santa

Quinta-Feira Santa

Sexta-Feira Santa

Sábado Santo

Domingo da Ressurreição

mar 08

Especial Dia Internacional da Mulher: Maria José Elias (Maria José da Toca)

A história de Dona Maria José Elias é tão simples como a de muitas Marias brasileiras. Nascida em Dores de Campos no dia 11 de outubro de 1958, filha de Geraldo Lucindo Elias e Xista Leandro. Desde criança ajudava sua mãe nas lidas domésticas com alegria, disposição e humildade. Foi criada em uma família simples, mas nunca deixou que a tristeza embalasse sua vida. Na sua mocidade casou-se com Antônio Tadeu Elias e no início do casamento sofreu muito com o alcoolismo do marido e as incompreensões advindas de sua caridade com o próximo. Antes de ser a Maria José da Toca, trazia os mendigos para sua casa e alimentava-os. Nesse tempo já tinha os filhos Leandro Eustáquio Elias, Patrícia Trindade Elias (In memorian) e Rodrigo Geraldo Elias, que foram criados dentro desse clima de amor ao próximo, na intenção de serem pessoas do bem.

Família da Dona Maria José

Dona Maria José, seu esposo Antônio e a neta Marina

Na preocupação com os desvalidos sua fama tornou-se conhecida na cidade e sua casa não tinha espaço para acomodar todos os necessitados da cidade e de outros recantos do Brasil. Nessa luta pela ajuda aos desvalidos aliou-se ao jovem Eduardo Henrique Aliani Teixeira, ao marido Antônio, que, atualmente, a apoia. Com o aumento do expediente foi o Movimento Toca de Assis e um local, sob a casa de Dona Viroca, na Rua Nova, para acolher esses desvalidos. Apesar dos poucos recursos financeiros começa a servir, diariamente, uma sopa, rica em nutrientes, a isso pede donativos à comunidade.

Mas com o tempo o anseio de ajudar tornou-se mais intenso, devido à crescente demanda consegue o empréstimo da casa do finado “Antônio Arruda”, que atualmente pertence ao seu neto Marcelo Arruda. Devido ao tamanho da nova casa pôde abrigar mais internos, que se alimentam, dormem e trabalham no cultivo de uma horta comunitária, quando todas as hortaliças são vendidas para a comunidade. A casa tem o clima de harmonia e simplicidade, própria dos lares onde reina o amor.

Moradores da Toca de Assis, juntamente com a Dona Maria José e alunos do CEWA

Dona Maria José é um exemplo que deve ser seguido por todos, pois personifica as verdadeiras palavras bíblicas de Jesus “Doar o pouco que tem aos pobres”, tal qual a pobre viúva, que deu os últimos tostões como esmola na igreja. A emblemática Maria José também reza o terço no mês de outubro dedicado a Nossa Senhora Aparecida e diversas guloseimas. Nessa ocasião comemora com as crianças, seu aniversário. Gostaria de finalizar dizendo que nossa querida figura dorense, perdeu sua filha Patrícia de maneira trágica, mas nunca perdeu a fé em Deus. Atualmente cuida de sua neta Marina Aparecida Elias da Silva, com todo cuidado de uma mãe, com um cuidado de Maria.

Sua filha Patrícia (In memorian) e neta Marina

“Que todos os dorenses sigam o exemplo da grande Maria José em sua vida cotidiana”.

Dores de Campos, 08 de março de 2017

Por Sirlene Cristina Aliane – PASCOM

fev 10

Humildade

As pessoas

Mais humildes

São as mais

Sábias;

Pois são

Felizes

Com

Sua casa

Modesta,

Seu trabalho

E principalmente

Com a família

E com os

Amigos.

Os bens

Materiais,

São apenas

Instrumentos

Nas mãos

Do ser

Humano

Humilde.

E tem

Que

Ser

Assim,

Pois

As pessoas

Que têm

Os cargos

Mais

Altos

Na sociedade,

Devem prestar

Serviços

Ao próximo,

E não

Se tornarem

Arrogantes

E prepotentes.

O maior

Exemplo

De humildade

Na terra,

Foi demonstrado

Por Jesus

Cristo,

Aquele

Que lavou

E beijou

Os pés

Dos apóstolos e

Dos mais pobres e

Simples.

Por Sirlene Aliane – PASCOM

Posts mais antigos «